Críticas

Crítica: A dublagem de Brinquedo Assassino.

BRINQUEDO ASSASSINO

LANÇAMENTO:
22 de agosto de 2019

DURAÇÃO:
1h 30min

DIREÇÃO:
Lars Klevberg

GÊNEROS:
Terror


NACIONALIDADE:
EUA

DUBLAGEM

ESTÚDIO:
Unisom

DIREÇÃO:
Ulisses Bezerra

TRADUÇÃO:
Translation CO.

ELENCO DE DUBLAGEM

Renato Márcio: Mark Hamill (Chucky – voz)
Yago Contatori: Gabriel Bateman (Andy Barclay)
Silvia Suzy: Aubrey Plaza (Karen Barclay)
Dláigelles Riba: Brian Tyree Henry (Detetive Mike Norris)
Gabriela Milani: Beatrice Kitsos (Falyn)
Ítalo Luiz: Ty Consiglio (Pugg)
Gabriel Martins: Marlon Kazadi (Omar)
Ricardo Sawaya: David Lewis (Shane)
Isaura Gomes: Carlease Burke (Doreen)

Fátima Silva: Nicole Anthony (Detetive Willis)
Lipe Volpato: Ben Andrusco-Daon (Ben)
Cesar Marchetti: Trent Redekop (Gabe)
Lipe Volpato: Anantjot S Aneja (Chris)
Carlos Campanille: Tim Matheson (Henry Kaslan)
Fernanda Bullara: Zahra Anderson (Mãe)
Cesar Marchetti: Eddie Flake (cliente)
Fernanda Bullara: Hannah Drew (cliente)
Gabriel Martins: Buddi

Ulisses Bezerra: Buddi bear
Fátima Silva: mulher na TV
Sicília Vidal: Mia Bella (menina)
Cecília Lemes: voz eletrônica
Angelo Bisarro: Placas

Nessa nova produção de Brinquedo Assassino  Chucky é um boneco de inteligência artificial, cujos inibidores de censura e violência foram mexidos e logo em seguida é dado como presente para o garoto Andy. Então começa toda a violência já conhecida das produções anteriores.

Apesar de acertadamente modificados a origem do personagem e o visual, pelo diretor Lars Klevberg e o roteirista Tyler Burton Smith, o filme não se desagarra das origens, pois é tratado pelo público nostálgico como um a mais da franquia e inevitavelmente isso acabou chegando na dublagem.

A Unisom Brasil, empresa responsável pela dublagem do longa, escalou Ulisses Bezerra para a direção e esse tratou de promover o retorno do primeiro dublador do Chucky, Renato Márcio, para dar voz ao boneco (sem contar Júlio Chaves que também dublou o primeiro para o Rio). Nelson Machado, excelente profissional da área, assumiu a interpretação do boneco na fase mais cômica da franquia e talvez por isso, Renato Márcio tenha ficado marcado como a mais tenebrosa versão do Chucky.

Renato, mais uma vez acerta em cheio ao oferecer ao público um boneco sarcástico, assustador e levemente burlesco. Ele não chega a reeditar suas versões anteriores do “bonzinho”, mas a proposta não é essa, aqui temos um Chucky mais moderno sem aquela gargalhada descomedida ou piadinhas infames.

O Andy (Gabriel Bateman), dessa vez um adolescente de 14 anos de idade, foi acertadamente realizado por Yago Contatori (Zuma em Patrulha Canina), jovem profissional que apesar de algumas cenas em que poderia passar mais dramaticidade, é muito bem dirigido e não chega a comprometer. Também pegou um ator cuja atuação está em maturação e seguir o original aqui talvez tenha sido o grande problema, pois Bateman não está tão a vontade como Andy.

A mãe de Andy, recebe a voz de Silvia Suzy (Marlene em Pinguins de Madagascar) e entrega de forma categórica, seja nas cenas mais leves onde precisa bancar a amorosa mãe Barclay, ou nas cenas em que precisa demonstrar pânico, ela se sai de forma eficiente em ambos os casos.

O elenco de apoio também funciona, tanto quanto possível, em especial a garotada que dirigida por Ulisses se encarrega de expressar medo na tela.
E para os amantes da franquia e dublagem dela, você ainda vai ouvir a dubladora da Tiffany (a noiva do Chucky), Cecília Lemes, como a voz automática que surge no filme.

Não espere uma dublagem melhor do que o filme em si oferece e é diversão garantida assistir em nosso idioma.

Leia Também:  Crítica: A dublagem de Rocketman
Izaías Correia
Izaías Correia
Professor, roteirista e web-designer, responsável pelo site InfanTv. Também é pesquisador da dublagem brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *