Críticas

Crítica: A dublagem de Seis Vezes Confusão.

SEIS VEZES CONFUSÃO

LANÇAMENTO:
16 de agosto de 2019

DURAÇÃO:
1h 37min

DIREÇÃO:
Michael Tiddes

GÊNEROS:
Comédia


NACIONALIDADE:
EUA

DUBLAGEM

ESTÚDIO:
Unidub

DIREÇÃO:
Wendel Bezerra

TRADUÇÃO:
Guga

ELENCO DE DUBLAGEM

Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Alan)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Russell)
Cecília Lemes: Molly Shannon (Linda)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Dawn)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Jaspar)
Antônio Moreno: Glynn Turman (Leland)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Ethan)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Baby Pete)
Wendel Bezerra: Marlon Wayans (Lynette)

Outras Vozes:

Angelo Vizarro
Alessandra Merz
Fábio Azevedo
Diego Lima
Márcio Araújo
Karen Ramalho
Maria Cláudia Cardoso

Assim que o astro Marlon Wayans desembarcou no Brasil as atenções se voltaram para o seu novo trabalho Seis Vezes Confusão, uma comédia pastelão no estilo de Tyler Perry e Eddie Murphy, lançada para a Netflix no último dia 16 de agosto.

Um texto fraquíssimo e situações superficiais e sem sentido fazem desse título um filme que apenas serve para divertir uma parcela do público que quer passar algum tempo em frente à televisão sem esperar muito do que se propôs a assistir.

No filme, o personagem Alan é o centro de tudo e tenta reunir sua família, afinal possui quatro irmãos que não conhece, o obeso Russell, a presidiária Dawn, o ruivo Jaspar e Baby Pete, o irmão que não se desenvolveu, mostrado em CGI, técnica usada em outro filme do Marlon O Pequenino.

O fato de Wendel Bezerra ter dirigido a dublagem foi o grande diferencial aqui. O elenco de vozes está muito bem, com sincronismo e humor na medida certa e a maior parte dele bem escalada.

Mas, desde o começo, dublar seis personagens e passar humor, compor vozes diferentes sem se tornarem caricatas e ao mesmo tempo ter o exagero do humor pastelão é um desafio gigantesco para qualquer dublador.

Assim, Wendel para interpretar um ator de humor escrachado, não foi a melhor escolha. O dublador é um excepcional profissional, mas acostumado a papeis mais sérios e aqui não contamos o Bob Esponja, cujo trabalho é voltado para outro tipo de público. Talvez fosse melhor ter deixado o astro americano a cargo de alguém acostumado à comédia.

Algumas piadinhas cuja graça está exatamente na entonação da voz de Marlon Wayans são totalmente perdidas, pois Wendel passa por cima disso ignorando totalmente esse recurso mínimo de atuação, principalmente ao dublar Alan, que mesmo sendo o personagem mais sério dos seis, sustenta sua graça num tom ou outro de voz mais imoderado.

É impossível negar que Wendel domina a técnica da dublagem e isso fica evidente no baita sincronismo e respiração do ator, mas não é o bastante para fazer Wayans ficar engraçado falando português.

Cecília Lemes, por exemplo, faz essa mudança sutil de tom nas falas deixando-as bem-humoradas de uma maneira muito mais perfeita ao interpretar Molly Shannon (Linda). Antônio Moreno como Glynn Turman (Leland) também cumpre com eficácia essa função.

À medida que os demais personagens de Marlon Wayans vão ingressando na trama, fica evidente que a escalação de Bezerra não foi a melhor pedida. O falsete do personagem Russell não está bem construído e em alguns momentos o dublador parece perde-lo no meio do diálogo. Baby Pete e Lynette são outros exemplos de vozes não estão bem construídas. Talvez o pouco tempo para criar esses falsetes e gravá-los tenha prejudicado um pouco a performance de Wendel, foram apenas três dias para bolar personagens que levaram meses no original.

Fazendo a personagem Dawn, a irmã encarcerada de Alan, é o momento alto do dublador. Ao emprestar a voz a personagem ele consegue alguns momentos de inspiração, ainda assim a versão feminina de Wayans fica muito melhor com Nizo Neto, como mostrado em As Branquelas. Outra composição que merece destaque é a da voz de Jaspar, naturalmente um pouco mais caprichada.

O personagem Ethan começa bem, principalmente nas cenas onde ele não precisa se passar pelo Alan, mas quando isso ocorre, ambos os personagens ficam exatamente com a mesma voz, o que não ocorre no original, pois Marlon Wayans consegue interpretar o farsante de tal forma que percebemos pequenas mudanças entre um e outro.

Leia Também:  Crítica: A dublagem de Rocketman
Izaías Correia
Izaías Correia
Professor, roteirista e web-designer, responsável pelo site InfanTv. Também é pesquisador da dublagem brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *