Notícias Vida Real

Covid-19 afeta o lançamento de conteúdo dublado no Brasil.

Estúdios fechados e a dublagem brasileira começa a ficar fora de séries e filmes.


Com o país confinado em virtude da pandemia da Covid-19 o trabalho dos estúdios de dublagem também foi severamente afetado. Praticamente todos os estúdios de dublagem no Brasil suspenderam suas atividades desde março, dessa forma não foi possível finalizar os projetos que estavam sendo dublados e nem iniciar novos que eram previstos. Tudo isso numa época em que a televisão tornou-se a principal aliada do povo que precisa ficar em casa. “Nessa quarentena a dublagem é um serviço excencial porque as pessoas estão em casa e elas vão ver televisão. E no streaming  a demanda por dublado é de 90% do público”, afirma Manolo Rey dublador e diretor de dublagem.

Como indiscutivelmente a opção dublada tem sido a preferida do público tanto para filmes e séries da TV como para as produções de streaming, a solução é adiar as estreias desses títulos ou em casos extremos lançá-los sem a opção dublada até que o surto de Covid-19 permita que a rotina nos estúdios volte ao normal.

Na Netflix a produção Coffee & Kareen que estreou no último dia 3 de abril, tinha a previsão de receber a opção dublada mas por conta da paralisação dos estúdios lançou o filme apenas com legendas e uma justificativa na tela: “Algumas opções de áudio não estão disponíveis. A prioridade é a saúde dos dubladores”. O mesmo aconteceu com a segunda temporada da série O Último Dragão.

Tela de apresentação de Coffee & Kareem na Netflix com a justificativa para a ausência do áudio em português.

Além dos streamings, os canais de TV por assinatura também foram afetados em suas programações. A HBO teve algumas produções originais exibidas apenas com legendas; no canal Sony, o sucesso Grey’s Anatomy só terá episódios inéditos em maio e mesmo assim só com a versão legendada; e no AXN os novos episódios da série NCSI estão suspensos até 19 de maio.


A dublagem de games também não passou imune à pandemia. Natchy, Produtora de Localização da Riot Games no Brasil, postou no fórum de League of Legends: “Estamos fazendo de tudo para que nossos estúdios e atores de dublagem continuem entregando o ótimo trabalho que sempre fizeram, mantendo as recomendações das autoridades de saúde estaduais e federais. Conseguimos adiantar algumas coisas: Campeões do League of Legends, Cartas de Legends of Runeterra, etc. Outras infelizmente não. Um exemplo do que não conseguimos adiantar foi o vídeo Contos de Runeterra: Piltover e Zaun. Garanto que não é uma decisão fácil de tomarmos: escolher uma voz diferente para personagens que vocês já estão acostumados, ou não ter localização alguma.”

Já a dublagem de Valorant, FBS da Riot Games que tem lançamento beta previsto para 5 de maio, também pode chegar sem as vozes esperadas como anunciado no twitter da empresa.

Hoje a técnica permite que cada dublador grave sozinho apenas suas falas, o que leva o grande público a imaginar que ele poderia fazer isso inclusive em casa. Numa emergência, técnico de som, diretor e dublador poderiam desenvolver o processo de dublagem à distância, mas a qualidade técnica ficaria completamente comprometida, pois os dubladores não têm em casa as condições acústicas apropriadas para a captação do áudio, além disso, os diversos ambientes trariam diferenças de som na hora de fechar o produto final. “O home studio não dá muito futuro porque não basta o dublador comprar um microfone, ligar no computador e gravar, tem toda uma acústica, tem uma série de coisas”, comenta Manolo.

Redação
Redação
Equipe do DB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *