Cara de Um, Voz do Outro Matérias

Bat-Masterson encontra seu dublador Murilo Néri.

Recepcionado por milhares de fãs no Brasil, Gene Barry distribuiu bengalinhas e conheceu sua voz brasileira.


Bat Masterson foi um personagem real, chamado William Barclay Masterson, que nasceu no dia 24 de novembro de 1856 em Quebec no Canadá. O que se sabe sobre ele é que era o segundo filho de cinco irmãos, e cresceu nas fazendas de Nova Iorque, Illinois, Kansas e Quebec. Foi caçador de búfalos na adolescência ao lado dos dois irmãos, Ed e Jim.

Enquanto viajava sozinho para o Texas se encontrou com opressivos índios Comanche. A partir daí, foi explorador para o exército norte-americano na campanha contra os Kiowa e os Comanche. Acabou se tornando xerife ao lado de Wyatt Earp em Dodge City em 1876.

Sua força na história, inspirou uma das mais conhecidas séries de faroeste de todos os tempos. O programa Bat Masterson estreou no dia 8 de outubro de 1958 e durante três temporadas, Gene Barry interpretou o ex-homem da lei que se transformava no defensor dos oprimidos.

Ao todo foram 108 episódios mostrando as aventuras do personagem título. Nomes conhecidos como Ross Martin (o Artemus Gordon da série James West) e até DeForest Kelley (Jornada nas Estrelas) participaram do programa.


Jogador nato, o personagem adorava um carteado e evitava exibir armas de fogo, pois preferia resolver seus problemas utilizando a inteligência e sua famosa bengala, que usava sempre junto com roupas elegantes, chapéu-coco e uma típica gravata sulista.

Em meio aos brucutus do Velho Oeste, Bat Masterson representava o símbolo da gentileza e por isso mesmo era sempre visto com maus olhos pelos pistoleiros e arruaceiros da região, que faziam pouco caso de seu estilo “almofadinha”.

Leia Também:  Por Trás da Dublagem de Karatê Kid.

Envolvimentos em intrigas, criminosos e belas damas recheavam os episódios da série, que retratavam o universo do Velho Oeste, com as suas estradas de ferro, carruagens, cavalos, fazendas de gado, índios, rios, minas de ouro, e saloons de jogo, onde o herói sempre “dava as cartas” procurando malfeitores.

Gene Barry no aeroporto do Galão sendo recepcionado por uma multidão.
Gene Barry no aeroporto do Galão sendo recepcionado por uma multidão.

O Sucesso no Brasil.


A série foi apresentada no Brasil inicialmente pela TV Record no final de 1960 e logo em seguida também pela TV Rio. O sucesso foi imediato, as família se reuniam em frente à televisão nas tardes de sábado para assistir as aventuras do herói. As crianças  se afeiçoaram à série e era comum ver os garotos usando o chapéu e portando uma bangalinha em suas brincadeiras.

O seriado recebeu por aqui o patrocínio do compositor e industrial Fernando César (sabonete Cinta Azul). Antes Fernando patrocinava no canal 13 o programa Tim-tim-por-tan-tan, líder no horário, mas tanto ouviu falar na repercussão que Bat-Masterson vinha alcançando nos Estados Unidos que resolveu trocar o investimento para o seriado de Faroeste. Na ocasião chegou a distribuir bengalinhas tendo recebido pedidos até de ministros.

Porém, o que mais ajudou a propagar o nome do seriado em nosso país foi seu tema musical. A canção de abertura já era sucesso nos Estados Unidos e Ismael Corrêa (da Odeon) sugeriu ao próprio Fernando César fazer a versão em português para lançá-la em disco. Fernando estava envolvido numa série de outros trabalhos e Nazareno de Brito assumiu o projeto de escrever a versão que acabou também atingindo um grande sucesso na interpretação de Waldir Azevedo. Também foi gravada por Carlos Gonzaga na RCA e Altamiro Carrilho na Continental.

Por incrível que pareça, os censores brasileiros perseguiram o herói do western americano por considerar a sua famosa bengala um símbolo fálico.

Leia Também:  Baú da Dublagem: A Família Dinossauro.

 

A voz de Murilo Néri.


O primeiro estúdio a dublar as aventuras de Bat Masterson no Brasil foi o Ibrasom. Embora os arquivos de áudio dessa dublagem sejam raros é possível encontrar alguns episódios com áudio em português dessa fase.

A identificação do primeiro dublador, devido à má conservação do áudio e pelo fato do dublador não ter continuado atuando nessa área, torna-se muito complicada, mas um fragmento de um texto deixado por Ronaldo Baptista para o pesquisador Marco Antônio dos Santos talvez tenha esclarecido o nome do profissional.

Ele diz: “remanescentes da Piratininga, como Vicente Lia, intérprete de “Juvêncio – o Justiceiro do Sertão”, mais tarde substituído por mim, e escrito por Reinaldo dos Santos. Posteriormente, Vicente Lia viria a ser a voz de Bat Masterson, grande seriado de sucesso, na Ibrasom, onde tive o prazer também de trabalhar ao seu lado“. Dessa forma, Lia teria sido a primeira voz do herói no Brasil gravando os episódios da primeira temporada. A segunda foi dublada no Rio de Janeiro pelo estúdio Cinecastro, onde o protagonista recebeu a voz do ator Murilo Néri.

A série naquela ocasião estava no seu auge e Murilo Néri acabou ficando marcado como a principal voz de Masterson no Brasil. Néri consolidou sua carreira logo em seguida, tendo participado de vários filmes, séries e novelas brasileiras, além de trabalhar como apresentador do programa O Rio é Nosso na extinta TV Corcovado, Show Sem Limite no SBT, entre outros tantos trabalhos de destaque na telinha.

Gene Barry encontra seu dublador Murilo Néri.
Gene Barry encontra seu dublador Murilo Néri.

Gene Barry encontra sua voz.


A popularidade de Bat Masterson foi tão grande no Brasil, que o seu intérprete Gene Barry acabou recebendo um convite para fazer alguns shows por aqui. Na verdade, consistia em eventos com a aparição do ator e distribuições de prêmios, que levou multidões por onde passaram.

Leia Também:  Top 10: Dublagem de vilões dos anos 80.

O ator chegou no dia 23 de novembro de 1961, e encontrou uma recepção entusiasmada no Aeroporto do Galeão (RJ), onde mais de 1000 crianças o esperavam por volta das 23h. Em seguida Barry visitou o presidente João Goulart, no Palácio das Laranjeiras onde entregou ao seu filho, João Vicente Goulart, uma bengalinha simbólica. Também fez shows no Copacabana Palace e no Maracanãzinho, onde sorteou uma bengala de Bat Masterson.

Mas o grande momento da passagem do ator pelo Brasil certamente foi seu encontro com o dublador brasileiro Murilo Néri, algo novo naquele momento, dessa forma, Néri foi o primeiro dublador brasileiro a conhecer pessoalmente o ator para o qual emprestava sua voz.

Izaías Correia
Izaías Correia
Professor, roteirista e web-designer, responsável pelo site InfanTv. Também é pesquisador da dublagem brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *