Colunas Relíquias da Dublagem

Relíquias da Dublagem: Vale da Ambição – 1950.


Um milagre da ressureição, a rara dublagem da Odil realizada para o filme de John Farrow.

Por: Augusto Bisson

Estamos diante de um milagre até maior do que a existência da dublagem da Álamo de Artistas e Modelos, com a dupla Lewis-Martin. Trata-se de Vale da Ambição (John Farrow – 1950) com sua versão original “Odil Fono Brasil Sociedade Anônima São Paulo”.

Essa chamada era o que ouvíamos na tevê em todos os filmes da Paramount distribuídos pela Brascontinental entre 1969-1973. Devemos agradecer à Rede Globo por jamais ter exibido este filme a partir dos anos 80, caso contrário, teríamos aqui mais uma redublagem.

Vamos então ao elenco de dublagem que é o objeto desta coluna. A locução é de Batista Linardi. Nair Silva dubla a superestrela Heddy Lamarr – como faria anos depois na Álamo em Sansão e Dalila. E Ray Milland? Trata-se de Edgar Garcia, contumaz dublador de Cary Grant na Ibrasom (Suspeita, Gunga Din) e de Jack Lemmon na AIC. Ele também teria sido ouvido na BKS em Golpe de Mestre e Tubarão.


O resto do elenco é, em sua maioria, já falecido. Ouvimos, por exemplo, Antônio Cardoso (McDonald Carey), Yolanda Cavalcanti (Hope Emerson, a ruiva dona do bar), Ionei Silva (em falsete), Beatriz Facker (Mona Freeman), Osmano Cardoso, Marcelo Gastaldi, Noeli Mendes, Helio Porto (Tenente), Raymundo Duprat, Líbero Miguel e Walmir de Barros que está na cena da chegada da diligência das “meninas”.

Entre os vivos, temos João Ângelo em falsete, e Joferraz Voxx que fala aos cinco minutos deste trecho com o Helio.

Enfim, é uma maravilha que esta dublagem ainda exista. Aleluia!!!

Leia Também:  Pensando em Dublagem: A redublagem de Excalibur.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *